Designação SEE MG: Assistente Social, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Psicólogo ou Terapeuta Ocupacional – Analista de Educação Básica – AEB

fono

A Designação SEE MG oferece oportunidade de trabalho na área de Educação Especial para profissionais formados em Serviço Social, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia ou Terapia Ocupacional

Designações 2018 – Inscrições de ​25 de outubro de 2017 a​ ​​10​ ​de​ ​novembro​ ​de ​ ​2017.

Faça o download da RESOLUÇÃO SEE Nº 3 643, DE 20 DE OUTUBRO DE 2017 em PDF

Qual o salário do Analista de Educação Básica?

Salário estimado R$ 2669,55 – 30 horas por semana.

Esse é o salário que aparece com maior frequência na listagem de servidores para esse cargo.

A secretaria de educação conta com aproximadamente 233.510 servidores tendo uma folha de pagamento estimada em R$ 518.850.716,50 por mês. Todos os valores de carga horária e salário são estimados a partir da listagem atual de servidores disponível no Portal Transparência.

Fonte: Portal da Transparência do Estado de Minas Gerais – http://www.transparencia.mg.gov.br – Analisado a partir da Planilha Completa em 22/10/2017.

Quais cursos precisa ter o Analista de Educação Básica?

Qualquer profissional formado em Serviço Social, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia ou Terapia Ocupacional já está apto para se candidatar ao cargo. Porém, existem alguns cursos que você pode fazer para ter prioridade na contratação.

De acordo com a última resolução publicada pela SEE, existem 3 prioridades de classificação:

1º) Curso superior de graduação específica e registro no órgão de classe conforme exigência de lei, acrescido de pós-graduação em Educação Especial ou Educação Inclusiva

2º) Curso superior de graduação específica e registro no órgão de classe conforme exigência de lei, acrescido de cursos de aperfeiçoamento ou atualização, perfazendo, no mínimo, uma carga horária de 120 horas.

3º) Curso superior de graduação específica e registro no órgão de classe conforme exigência de lei.

Quais são esses cursos de 120 horas? Prioridade 2

Embora não esteja especificado quais são os cursos de 120 horas que devem ser feitos na prioridade 2, por se tratar de profissionais que irão atuar em uma equipe multidisciplinar da educação especial, o ideal seria que os cursos fossem voltados para a Educação Especial.

Curso de Atualização ou Aperfeiçoamento são em geral cursos livres. Porém, se tratando da Educação Especial, normalmente é exigido que a instituição que emita o certificado seja credenciada ao MEC ou SEE-MG. Instituição credenciada ao MEC são obrigatoriamente faculdades.

Curso de Aperfeiçoamento também pode ser chamado de Extensão Universitária, isso fica a critério da faculdade responsável.

Confira alguns cursos online de extensão universitária (aperfeiçoamento) válidos para a Designação da SEE-MG, na área de Educação Especial, que você pode fazer para ter mais chances de contratação e ainda complementar seu currículo de forma mais acadêmica:

Curso de Autismo
Curso de Deficiência Intelectual
Curso de Transtornos Globais do Desenvolvimento
Curso de Educação Especial Inclusiva
Curso de Atendimento Educacional Especializado
Curso de Deficiência Física

Equipe Multidisciplinar: Assistente Social, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Psicólogo ou Terapeuta Ocupacional

A equipe multidisciplinar, constante do quadro das escolas estaduais especiais, formada por profissionais de áreas afins, deve atuar de forma inter e transdisciplinar, com foco no apoio educacional aos alunos com deficiência, TGD e altas habilidades/superdotação matriculados na rede pública de ensino.

Fonoaudiólogo:

a) Elaborar, analisar e avaliar planos, programas e projetos pedagógicos numa ação conjunta aos demais educadores;
b) coordenar, acompanhar, avaliar e redirecionar a execução de propostas educacionais;
c) elaborar, executar e acompanhar projetos de capacitação de pessoal e treinamentos operacionais nos vários âmbitos de atuação;
d) proporcionar assistência técnica na elaboração de instrumentos de avaliação do processo educacional;
e) desenvolver ações, em parceria com os educadores, que contribuam para a promoção, aprimoramento, e prevenção de alterações dos aspectos relacionados à audição, linguagem (oral e escrita), motricidade oral e voz e que favoreçam e otimizem o processo de ensino e aprendizagem;
f) realizar estudo de casos em conjunto aos demais profissionais da educação visando contribuir com o processo de ensino e aprendizagem de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais;
g) Planejar, desenvolver e acompanhar programas fonoaudiológicos voltados à educação;
h) realizar avaliações fonoaudiológicas visando orientar pais, professores e equipe técnica das escolas.

Psicólogo:

i) Contribuir para a melhoria da qualidade da educação para todos, em todos os níveis, a partir dos conhecimentos técnicos e científicos da Psicologia e da Educação;
j) promover o entendimento junto a equipe das escolas, da dimensão subjetiva do processo de ensino e aprendizagem, construindo estratégias de ensino que considerem as dimensões psicológicas ou subjetivas dos alunos; os desafios da
contemporaneidade e as necessidades da comunidade na qual as escolas estão inseridas;
k) elaborar, executar e acompanhar projetos de capacitação de educadores voltados à reflexão de temáticas relativas ao desenvolvimento humano, suas relações afetivas, comportamentos, ideias e sentimentos, motivação, interesses,
aprendizagem, socialização, significados, sentidos e identificações, deficiências, transtornos funcionais e globais do desenvolvimento;
l) proporcionar assistência técnica na elaboração de instrumentos de avaliação do processo educacional;
m) desenvolver ações, em parceria com os educadores, que contribuam para a melhor compreensão dos elementos constituintes do processo de ensino e aprendizagem em suas dimensões subjetivas e objetivas, coletivas e singulares;
n) desenvolver ações que busquem favorecer e otimizar o processo de ensino e aprendizagem visando fortalecer o papel do professor como principal agente de ensino e aprendizagem em detrimento ao modelo clínico assistencial;
o) realizar estudo de casos, em conjunto aos demais profissionais da educação e de outros setores, visando contribuir com o processo de ensino e aprendizagem de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais;
p) realizar avaliações psicológicas, quando solicitado, visando orientar pais, professores e equipe técnica das escolas;
q) valorizar e potencializar a construção de saberes, nos diferentes espaços educacionais, considerando a diversidade cultural nas instituições e seu entorno para subsidiar a prática educacional.

Terapeuta Ocupacional:

a) Contribuir para a melhoria da qualidade da educação para todos, em todos os níveis, a partir dos conhecimentos técnicos e científicos da Terapia Ocupacional e da Educação;
b) construir, junto a equipe das escolas, estratégias de ensino que contemplem métodos e técnicas terapêuticas e recreacionais com a finalidade de restaurar, desenvolver e potencializar a capacidade mental do alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento;
c) avaliar as habilidades funcionais dos alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento visando orientar os educadores para o desenvolvimento das capacidades de desempenho das atividades de vida diária e atividades instrumentais de vida para as áreas comprometidas no desempenho ocupacional, motor, sensorial, perceptivo, cognitivo, mental, emocional, comportamental, funcional, cultural, social e econômico;
d) elaborar, executar e acompanhar atividades de vida diária e outras a serem assumidas pelos alunos e pelos educadores;
e) orientar e supervisionar a execução de atividades de vida diária pelos alunos e pelos educadores;
f) orientar professores, familiares e comunidade escolar quanto às condutas a serem observadas e adaptações necessárias nos meios e materiais disponíveis no ambiente da escola, visando a inclusão escolar de alunos com deficiências e transtornos globais do desenvolvimento;
g) orientar o uso de próteses e órteses necessárias ao desempenho funcional dos alunos com deficiência e Transtornos globais do desenvolvimento nas escolas;
h) orientar o uso de tecnologias assistivas nas escolas com o objetivo de promover adaptações de jogos, brincadeiras, brinquedos, utilização de sistemas de comunicação alternativa para alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento;
i) realizar ou orientar as adaptações para alunos com déficits sensoriais e cognitivos em equipamentos e dispositivos para mobilidade funcional;
j) proporcionar assistência técnica na elaboração de instrumentos de avaliação do processo educacional;
k) desenvolver ações que busquem favorecer e otimizar o processo de ensino e aprendizagem visando fortalecer o papel do professor como principal agente de ensino e aprendizagem em detrimento ao modelo clínico assistencial;
l) realizar estudo de casos, em conjunto aos demais profissionais da educação e de outros setores, visando contribuir com o processo de ensino e aprendizagem de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais.

Fisioterapeuta:

a) Contribuir para a melhoria da qualidade da educação para todos, em todos os níveis, a partir dos conhecimentos técnicos e científicos da Fisioterapia e da Educação;
b) elaborar orientações para os educadores sobre métodos e técnicas fisioterápicas que possam ser desenvolvidas no âmbito escolar, que tenham a finalidade de restaurar, desenvolver e potencializar a capacidade física dos alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento junto aos demais alunos;
c) orientar, a partir de avaliação físico funcional, as adaptações necessárias nos materiais didáticos, mobiliários, equipamentos e ambientes das escolas com matrícula de alunos com deficiência física;
d) realizar estudo de casos, em conjunto aos demais profissionais da educação e de outros setores, visando contribuir com o processo de ensino e aprendizagem de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais.

Assistente Social

a) Promover, juntos aos educadores, uma reflexão crítica dos processos sociais de produção e reprodução das relações sociais visando à consecução dos objetivos da educação inclusiva;
b) identificar demandas presentes na sociedade, visando formular respostas profissionais para o enfrentamento da questão social, considerando as novas articulações entre o público e o privado (ABEPSS, 1996);
c) propor e encaminhar providências e prestar orientação social às escolas visando apoiar alunos com deficiências e transtornos globais do desenvolvimento matriculados visando a garantia de seus direitos assistenciais básicos;
d) planejar, executar e avaliar pesquisas que possam contribuir para a análise da realidade social e para subsidiar ações dos educadores no enfrentamentos das questões sociais atuais;
e) realizar estudo de casos, em conjunto aos demais profissionais da educação e de outros setores, visando contribuir com o processo de ensino e aprendizagem de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais.

Fonte: Guia de Orientação da Educação Especial na rede estadual de ensino de Minas Gerais, da SEE-MG (2014)

A Escola Especial

A escola especial, frente ao processo de inclusão, deve transformar-se, romper com o papel assistencialista, cujas prioridades eram o cuidado pessoal, a clínica e a socialização dos alunos com deficiências e transtornos globais do desenvolvimento, organizando-se para o oferecimento de apoio às escolas comuns, através de capacitações dos professores, suporte de recursos didáticos e tecnológicos específicos e oferecimento de complementação curricular aos alunos público da Educação Especial que estão matriculados nas escolas de ensino comum.

O que é Educação Inclusiva? Entenda o tamanho do desafio

Educação Inclusiva

Se você já trabalha ou pretende começar a trabalhar na Educação Inclusiva, independente da sua formação original, buscar e estudar deverá fazer parte de sua rotina de trabalho. É uma área tão desafiante quanto gratificante.

Para começar, recomendamos a leitura do artigo O que é Educação Inclusiva? Um Passo a Passo para a Inclusão Escolar publicado na página do Instituto Itard, pioneiro na oferta de cursos de extensão universitária para formação dos profissionais da Educação Especial. No site do Instituto também existem muitos livros gratuitos para download (e-book).


Recomendado para você

7 dicas VENCEDORAS para você ganhar a designação de 2018!

Cursos para Professor de Apoio da SEE MG: Saiba Quais Cursos Fazer

Designação SEE MG: Assistente Social, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Psicólogo ou Terapeuta Ocupacional – Analista de Educação Básica – AEB

Problemas com credenciamento dos certificados para as designações?

Diferença entre Curso Livre e Curso de Extensão Universitária

RESOLUÇÃO SEE Nº 3 643, DE 21 DE OUTUBRO DE 2017







Equipe Designação

Equipe Designação

4 Comments

  1. Sou formada pela PUC como intérprete de LIBRAS a minha pós é Educação inclusiva e estou terminando o curso d pedagogia em abril de 2018. Em qual posso fazer minha inscrição?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *